Versos Gaúchos

Quando me solto um floreio

de milongo pela boca

medá uma vontade louca de atora a guitarra ao meio

sou um homem dos arreios

conheço parada feia

pois eu trago dentro das veias

minha estampa palanqueada

e esta contigo porriado

para o indio que genetea

Abandonei a bragada
pois todo o pago sabia,
do cambicho o povo ria
e a bragada se gabava. . .
Cola erguida, relinchando,
vinha ao trote, me chamando,
quando “lejos” me avistava. . .
Mas de todas essas éguas
que ergui na ponta da piça,
foi a tordilha petiça
que maior gozo me deu.
Pois a diaba se deitava
e relinchando acabava
no mesmo sonho que eu. . .

Não me atiço no entrevero

Nem vivo vagando atoa

Não tenho medo da noite

Nem me assusto da garoa

Quando abraço meu violão

As horas ficam mais longas

Quem me conhece já sabe

Que ay me gusta uma milonga

rs. gente… se alguem sabe o que significa me conte =]

Por: Biiaah


 

Anúncios

2 comentários sobre “Versos Gaúchos

Deixe uma resposta!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s